Dezesseis municípios festejam autonomia política este mês

0 92

Setembro não é só o mês em que se comemora a emancipação política brasileira, ou como preferem muitos, a Independência do Brasil. É durante este mês que 16 municípios baianos comemoram também sua independência política: Itiruçu, Aramari, Potiraguá, Chorrochó, Paramirim, Buerarema, Feira de Santana, Ribeira do Pombal, Euclides da Cunha, Ibipeba, Santo Estevão, Tanhaçu, Uibaí, Itaetê, Piritiba e Camaçari. Dia 01 de setembro quem comemorou aniversario de emancipação foi o município de Itiruçu com 78 anos. O nome de Itiruçu é originário do Tupi: morro grande. Os naturais do município denominam-se “itiruçuenses”.

No dia 06 de setembro de 1961 “nascia” o município de Aramari. Desmembrado de Alagoinhas, a cidade vai festejar 52 anos de autonomia política. Situada na região nordeste do Estado, a localidade possui mais de 10 mil habitantes e uma área de 352,535 km². Dia 12 é a vez de Chorrochó comemorar 59 anos. Situado no nordeste baiano, a localidade começou como uma pequena povoação formada por casebres, integrando o município de Curaçá, desenvolveu-se após a chegada de Antonio Conselheiro, que construiu uma igreja, mais tarde sob a invocação do Senhor do Bonfim, catalisadora de novos agrupamentos populacionais. Paramirim, situada na região sudoeste da Bahia, completa 135 anos de autonomia política no dia 16. Com cerca de 16 mil habitantes, o nome da cidade, em tupi, quer dizer “rio pequeno”.

O município integra a Bacia Hidrográfica do São Francisco, limitando-se ao norte com Rio do Pires e a leste com Água Quente, ao sudoeste com Livramento de Nossa Senhora e a noroeste com Botuporã. Seus principais recursos econômicos são agricultura, pecuária, pequenas indústrias e silvicultura. Buerarema é uma cidade da microregião cacaueira, resultante das prolongadas secas nordestinas, que mantiveram um êxodo populacional intenso, notadamente de sergipanos. Por outro lado, fatores climáticos favoráveis, aliados a extensas áreas devolutas e de grande fertilidade, consistiram-se num grande atrativo capaz de fixá-los na nova região. Dia 17 o município comemora 54 anos de autonomia. No dia 18, é a vez da pujante Feira de Santana soprar suas 180 velas. O nome da cidade é uma homenagem aos considerados fundadores.

O município, que desde seus primórdios já dava demonstrações do que seria no futuro, é hoje, a segunda maior cidade do Estado, 31ª do país e uma vocação para atrair gente de todas as partes do país pela sua localização geográfica, como o entroncamento que une o país, e a hospitalidade do seu povo. ANCESTRAIS INDÍGENAS – Ribeira do Pombal, o 2º mais importante da região nordeste da Bahia, com uma população estimada em 48 mil habitantes, festeja no dia 19, 80 anos de emancipação política. A cidade teve sua origem a partir de uma aldeia de índios kiriris no final do século XVII. O município é o 1º grande produtor de mel baiano, 3º do Nordeste e 10º do Brasil. A Igreja Matriz de Santa Tereza de Jesus (santa padroeira da localidade), construída em 1666 pelos jesuítas, é o cartão postal da cidade. No mesmo dia, quem também festeja é Euclides da Cunha. A cidade, que também completa 80 anos, teve como primeiros habitantes os índios caimbés. O município possui mais de 55 mil habitantes, e uma área de 2383,84 km². A cidade leva o nome do famoso escritor que imortalizou a saga de Antônio Conselheiro através do clássico “Os Sertões”. Alguns pontos da cidade ainda lembram a guerra de Canudos. Também no dia 19 Ibipeba, localizado na região de Irecê, vai completar 52 anos.

Distante de Salvador a apenas 150 km, Santo Estevão, tida como “cidade jardim” devido suas belas praças e ruas arborizadas, festeja no dia 21, 92 anos de autonomia política. Habitada pelos índios paiaiás, a região foi bastante explorada na metade do século XVIII, durante o ciclo do ouro. Mas foi só a partir do ano de 1921 que o município iniciou sua trajetória de independência e progresso. Situada no Vale do Paraguaçu, banhada pelos rios Crumataí, Paratigi e Paraguaçu, a cidade tem como base econômica a agricultura (quiabo, feijão, milho, mandioca e fumo), já na agropecuária destacam-se o gado bovino, ovino e caprino. No dia 22, é a vez de Tanhaçu comemorar seus 62 anos. O topônimo da cidade é um vocábulo indígena tupi que significa “dente grande”. Sua população estimada em 2006 era de 21.309 habitantes.

Uibaí (antiga Canabrava do Gonçalo), noroeste do Estado, comemora no mesmo dia, 52 anos. Itaetê, na Chapada Diamantina, comemora 52 anos no dia 25. Já Piritiba (que significa sítio do junco), no dia 27, completa 61 anos. A cidade está localizada na encosta da Chapada Diamantina e faz parte do polígono das secas. A história da localidade começou a ser contada a partir da vinda dos bandeirantes à Chapada. Nas suas terras banhadas pelo rio Jacuípe planta-se milho, mandioca e feijão. E fechando o mês de comemorações políticas administrativas, a próspera Camaçari festeja 255 anos no dia 28. Com uma população de cerca de 187 mil habitantes, a cidade é uma das mais importantes da região metropolitana de Salvador, perdendo apenas para a capital baiana. O Polo Petroquímico, Ford, Monsanto e em todo o seu conjunto de empresas prestadoras de serviço a maior expressão da sua economia.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Complete a matemática para poder acessar *